quarta-feira, 20 de março de 2013

Pressão de manifestantes leva comissão a suspender debate

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias suspendeu a audiência pública marcada para esta quarta-feira (20) devido à manifestação de movimentos contrários à presença do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) na presidência da comissão.

Os deputados Nilmário Miranda (PT-MG) e Érika Kokay (PT-DF) deixaram a reunião em protesto contra a atitude da presidência em manter a normalidade dos trabalhos enquanto a comissão atravessa uma grave crise.

O deputado Henrique Afonso (PV-AC) que havia solicitado o debate e presidia a sessão lamentou a atitude dos manifestantes que por “intolerância não estão dando uma chance para que o Pastor Marco Feliciano mostre seu empenho na defesa dos direitos humanos”.

Henrique Afonso lamentou que a discussão do tema do tratamento de pessoas com deficiência mental tenha sido prejudicada por falta de condições de trabalho.
Reportagem - Karla Alessandra
Edição - Rachel Librelon

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'

sexta-feira, 15 de março de 2013

Quem é quem?

O deputado federal Marco Feliciano, de fato, não representa os evangélicos como um todo, haja vista ter deixado a desejar quanto à ortodoxia, além de ter feito declarações um tanto infelizes. Ele tem sido criticado por muitos pastores e apologistas. Eu mesmo — reconheço — já critiquei sua conduta como pregador, de modo indireto, por meio de livros e artigos.

Por outro lado, quem disse que o CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs no Brasil) nos representa? A grande mídia tem divulgando que os evangélicos rejeitam o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, com base numa manifestação de repúdio a Feliciano emitida pelo tal CONIC. Para quem não sabe, esse conselho — que é ecumênico e nada tem a ver com o evangelicalismo ortodoxo — fala em nome, apenas, de alguns representantes da Igreja Católica Apostólica Romana, da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, da Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia e da Igreja Presbiteriana Unida. 

Feliciano pode não agradar a muitos evangélicos. Mas há muita gente, de várias igrejas, especialmente da Assembleia de Deus, que o apoia. E é bom dizer que ele foi eleito com mais de 210 mil votos, enquanto o seu maior oponente, um cômico deputado BBBrasileiro com nome de carro antigo, o qual é bastante afinado com o CONIC, recebeu pouco mais de 13 mil votos, apenas.

Em outras palavras, chega a ser cômica a maneira como a grande mídia evangelicofóbica manipula as informações em favor do ativismo LGBTUVWXYZ e em detrimento do evangelicalismo, sugerindo que a maioria das igrejas evangélicas brasileiras considera Marco Feliciano racista e homofóbico. Ora, ele pode ter os seus defeitos, porém está longe de ser o que dizem que ele é.

Julguemos, pois, todas as coisas segundo a reta justiça (Jo 7.24), e não de modo calunioso ou difamador (Mt 7.1,2).

Por: Ciro Sanches Zibordi

quarta-feira, 13 de março de 2013

Grupo Gay agride católicos em Curitiba

Cerca de 40 anos atrás a organização laica de inspiração católica Tradição, Família e Propriedade (TFP), baseada em São Paulo atingiu seu auge, chegando a contar com mais de 1 milhão de correspondentes e simpatizantes espalhados pelo Brasil.

Com as mudanças que o país passou, ela perdeu apoio e desapareceu, como tudo que podia ser identificado com o período de ditadura. Mas sua essência resiste sob o nome do Instituto Plínio Correia de Oliveira (IPCO), uma homenagem ao seu fundador.

Em meados de janeiro, um grupo do IPCO de Curitiba fez uma manifestação pública pacífica no centro da cidade, intitulada “Cruzada pela Família”. Qual não foi a surpresa quando se viram literalmente atacados por militantes gays, que tentaram de tudo para calar essa voz discordante do “politicamente correto”.


Um vídeo com imagens do ocorrido está circulando na internet e suscitando todo tipo de reação. O mais assustador é que os militantes gays, que geralmente reclamam da violência, dessa vez são os agressores. Ofensas, gestos obscenos, cusparadas, provocações, empurrões e até uma pedrada tiveram como resposta apenas orações e silêncio.

A proposta do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira é fazer “Cruzadas pela Família” em todo o Brasil, manifestando-se de forma ordeira e pacífica contra as leis de aborto e contra a agenda do movimento homossexual que a cada dia parece se fortalecer no país.

O jovem do Instituto que ficou ferido precisou ir ao hospital e receber três pontos de sutura na cabeça. Ele registrou o ocorrido na 1.º DP de Curitiba. O incidente teve repercussão em jornais do Paraná e foi noticia inclusive em sites americanos.

O IBGE divulgou os dados do Censo de 2010 sobre a religião (ou a não religião) declarada dos brasileiros. (2012)

O Brasil ainda é a maior nação católica do mundo, mas, na última década, a Igreja teve uma redução da ordem de 1,7 milhão de fieis, um encolhimento de 12,2%. Os dados são da nova etapa de divulgação do Censo de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A tendência de redução dos católicos e de expansão das correntes evangélicas era algo esperado. Mas pela primeira vez o Censo detecta uma queda em números absolutos. Antes do levantamento de 2010, o quadro era apenas de crescimento de católicos em ritmo cada vez menor. Mantida essa tendência, em no máximo 30 anos católicos e evangélicos estarão empatados em tamanho na população. Os números mostram uma redução acentuada de poder da Igreja Católica no país nas últimas décadas: a mudança foi lenta entre 1872 e 1970, com perda de 7,9% de participação no total da população ao longo de quase um século; e tornou-se acelerada nos últimos 20 anos, quando a retração foi de 22%.

“O impacto dessa mudança é grande para a Igreja Católica. A Rússia teve revolução e permaneceu ortodoxa. Os Estados Unidos, mesmo com a Guerra Civil, se mantiveram protestantes. Entre os países grandes, mudanças assim só ocorreram em consequência de de guerras e revoluções. No Brasil, a revolução é silenciosa”, diz José Eustáquio Diniz, demógrafo da Escola Nacional de Estatísticas.

Se em 1970 havia 91,8% de brasileiros católicos, em 2010 essa fatia passou para 64,6%. Quem mais cresce são os evangélicos, que, nesses quarenta anos saltaram de 5,2% da população para 22,2%. O aumento desse segmento foi puxado pelos pentecostais, que se disseminaram pelo país na esteira das migrações internas. A população que se deslocou era, sobretudo, de pobres que se instalaram nas periferias das regiões metropolitanas. Nesses locais, os evangélicos construíram igrejas no vácuo da estrutura católica.

“Houve uma mudança na distribuição espacial das pessoas. A Igreja Católica é como um transatlântico, que demora muito para mudar um pouquinho a rota, devido ao tamanho de sua estrutura burocrática. Já os evangélicos são como pequenas embarcações”, explica Cesar Romero Jacob, cientista político da PUC-Rio. A analogia apresentada por Jacob se aplica com perfeição à comparação entre o tempo e o custo para se ordenar um padre e o período de formação de um pastor, algo que ocorre em menos de três meses. “Não existe espaço vazio”, resume.

Nas periferias, na ausência do estado e da Igreja Católica, os pentecostais atuaram como guias espirituais e como figuras centrais do assistencialismo. “As evangélicas pegaram fieis onde a Igreja Católica não tinha se preparado para arregimentar a nova população, e adaptaram a mensagem para diversos públicos”, diz Eustáquio Diniz.

Família
A preservação da família é um dos motivos que, segundo Jacob, serve para explicar o crescimento da Assembleia de Deus no país. De acordo com o censo de 2010, ela é o maior segmento evangélico, com 12 milhões de fiéis, e o segundo maior do Brasil, atrás da Igreja Católica. Em comparação com a igreja Universal do Reino de Deus, por exemplo, que perdeu 228 mil fiéis nos últimos 10 anos e hoje tem 1,8 milhão de arrebanhados, a Assembleia de Deus prega valores morais mais rígidos.

“Nos anos 90, época de expansão da favelização, a mãe não queria a desestruturação da sua família, o que a Assembleia não deixa”, explica Jacob, lembrando-se da proibição, por exemplo, de bebidas alcoólicas e de roupas femininas mais insinuantes. A favelização e a ocupação das periferias são resultado da migração dos anos 80 e 90, que deixou de ser motivada pela possibilidade de ascensão social e passou a acontecer pela expulsão das pessoas do campo, em sua maioria pobres. As correntes pentecostais acompanharam esses deslocamentos e, ainda na década de 90, entraram maciçamente na política.

A política se tornou um instrumento de crescimento da própria igreja pentecostal ou do pastor. “É uma população com baixa renda e escolaridade. Entre pessoas independentes economicamente e bem formadas fica mais difícil o voto de cabresto”, afirma Jacob. A pesquisa do censo revela que, apesar de os pentecostais crescerem na população pobre e de baixa renda, na última década se fez presente também na nova classe média. “A “teologia da prosperidade” é um dos fatores desse processo”, diz Eustáquio Diniz.

Detalhes regionais e etários
Nos últimos 10 anos, manteve-se estável a proporção de cristãos. Isso indica tanto uma migração de católicos para as correntes evangélicas e para outras religiões. O segmento dos sem religião também cresceu percentualmente, e chegou a 8% da população em 2010. O contingente de católicos foi reduzido em todas as regiões e se manteve mais elevado no Sul e no Nordeste. O Norte foi onde houve a maior redução relativa dos católicos.

Quanto à faixa etária, a proporção de católicos foi maior entre as pessoas com idade superior a 40 anos. Segundo o estudo, isso é decorrente de gerações formadas durante os anos de hegemonia católica. Já os evangélicos pentecostais têm sua maior proporção entre as crianças e os adolescentes, sinalizando uma renovação da religião. O grupo com idade mediana mais velha é o dos espíritas (37 anos) que cresceu na última década e chegou a 3,8 milhões de pessoas, sobretudo nas regiões Sudeste e Sul. Os espíritas são os que apresentaram melhores indicadores, como a maior proporção de pessoas com nível superior completo (31,5%).



Blog
Reinaldo Azevedo

sábado, 9 de março de 2013

Deputado Marco Feliciano responde por homofobia e estelionato no STF


O novo presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, deputado Marco Feliciano (PSC-SP), é alvo de dois processos no Supremo Tribunal Federal (STF): um inquérito que o acusa de homofobia e uma ação penal na qual é denunciado por estelionato. A defesa do parlamentar nega as duas acusações.
O deputado federal e pastor Marco Feliciano (PSC-SP) (Foto: Alexandra Martins/Agência Câmara)O deputado federal e pastor Marco Feliciano
(PSC-SP) (Foto: Alexandra Martins/Agência Câmara)
A eleição do parlamentar para o cargo ocorreu em sessão fechada, sob protestos de manifestantes.

Feliciano foi denunciado em janeiro pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que considerou homofóbica a mensagem do deputado no microblog Twitter com a frase "A podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam ao ódio, ao crime, à rejeição". Mas como não existe crime de homofobia, o procurador enquadrou o ato como crime de discriminação, com pena de um a três anos de prisão.

O relator do inquérito é o ministro Marco Aurélio Mello. Ele ainda precisa levar o caso ao plenário, que decidirá se abrirá ação penal e transformará o parlamentar em réu.

Para Gurgel, a fala "revela o induzimento à discriminação". "A expressão de pensamento postada na rede social pelo denunciado Marco Antônio Feliciano, no dia 30 de março de 2011, ou seja, em um canal da mais ampla divulgação possível, revela o induzimento à discriminação dos homossexuais em razão de sua orientação sexual", afirma o procurador na denúncia.
"Foi burburinho de entidades. Foi a interpretação religiosa de um trecho da Bíblia. Para o MPF, não houve racismo. Acreditamos que não vá prosperar também a denúncia de homofobia."
Rafael Novaes da Silva, advogado do deputado Marco Feliciano (PSC-SP)
No mesmo processo, o procurador citou outros posts no qual o parlamentar fala sobre raças, como: "Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato. O motivo da maldição é a polêmica. Não sejam irresponsáveis twitters rsss", diz o post. Para Gurgel, Feliciano não poderia responder por racismo porque a frase está "no limite entre a ofensa à raça negra e a liberdade de expressão".

O inquérito tem 62 páginas e não há previsão para o caso ser avaliado pelo plenário. Segundo o andamento processual, Feliciano foi notificado pelo Supremo do processo na quarta (6).

O advogado Rafael Novaes da Silva, que defende o deputado, afirmou ao G1 que a denúncia não vai prosperar. "Foi burburinho de entidades. Foi a interpretação religiosa de um trecho da Bíblia. Para o MPF, não houve racismo. Acreditamos que não vá prosperar também a denúncia de homofobia."