sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Deputado suspenso pelo PT, por ser contra o aborto

“Eu me sinto honrado por ter sido suspenso pelo PT por ter defendido a vida”, diz deputado ex-petista

(Por Marcelo de Moraes, no Estadão) – “Vai piorar a situação dela (Dilma) se mentir sobre o aborto por questões eleitoreiras. Vai ser um tiro no próprio pé. Na minha opinião, ela é materialista.” (Luiz Bassuma)

Em setembro do ano passado, o deputado federal Luiz Bassuma teve suspensos seus direitos partidários dentro do PT pelo prazo de um ano por decisão da direção nacional da legenda. O motivo: era contra a orientação do partido a favor da legalização do aborto. Integrante da Frente Parlamentar em Defesa da Vida, Bassuma preferiu pedir sua desfiliação do PT, entrando no PV de Marina Silva e disputando o governo da Bahia pelo partido. Agora, com a questão da legalização do aborto tirando votos da candidata Dilma Rousseff, Bassuma critica o que considera mudança de opinião da petista em relação ao assunto. “Acho que vai piorar a situação dela se mentir sobre o aborto por razões eleitoreiras. Vai ser um tiro no próprio pé”, afirma.

O senhor foi punido pelo PT por ser contra a legalização do aborto. Agora, esse tema passou a ser um dos principais problemas da campanha presidencial de Dilma Rousseff e o PT se esforça para dizer que não defende a proposta. Qual é a sua avaliação sobre isso?
Ninguém pode apagar a história. Fui punido com um ano de suspensão pelo PT apenas por querer continuar a favor de uma ideia que sempre defendi. Não queria que ninguém pensasse igual a mim. Só queria que o partido respeitasse meu direito de ter opinião diferente.

O senhor acha que o PT agiu errado com o senhor?
Cumpri quatro mandatos pelo PT e um dos motivos que me fizeram ser filiado ao partido era justamente o artigo interno que permitia aos integrantes terem direito à liberdade de opinião, de religião, de pensamento. Comigo não valeu.

O senhor acha que há setores do partido que realmente são contra o aborto?
É possível. Mas fui punido quase por unanimidade pela direção do partido por ser contra a proposta. Dilma era a ministra chefe da Casa Civil na ocasião. Durante a análise do meu caso, o PT deixou claro que é a favor da legalização e não concordo.

Nos últimos dias, a candidata Dilma tem negado publicamente ser a favor do aborto. O PT, então, deveria propor uma punição interna para ela como fez no caso do senhor?
Acho que eles têm de assumir a verdade e dizer o que pensam sobre o assunto. Vai piorar a situação dela se mentir sobre o aborto por questões eleitoreiras. Vai ser um tiro no próprio pé. Na minha opinião, ela é materialista. O presidente Lula não. Todo mundo sabe que ele realmente tem uma posição diferente. Ele sempre disse que era contra o aborto.

Esse tratamento mais flexível do PT sobre o tema faz com que o senhor se sinta injustiçado por ter sido punido?
Pelo contrário. Eu me sinto honrado por ter sido suspenso pelo PT por ter defendido a vida. Essa é a bandeira da minha vida. Minha principal causa política. E o PT não respeitou esse meu direito. Envergonhado eu estaria se tivesse defendido o mensalão. Eu acho que o aborto significa matar uma vida.

Carta aberta

REFLEXÃO: Segue a carta do ilustre pastor Rev. Ageu Cirilo, diretor do Seminário Presbiteriano de Sao Paulo. Não me parece inoportuno ler e refletir sobre ela. Afinal, nossa pátria clama por oração...
Caros amigos,

As linhas que escrevo agora são fruto de muita reflexão e oração. Há semanas venho ensaiando escrever isto e o mero desejo de meu coração tornou-se uma necessidade de minha consciência. Muitos de nós têm acompanhado de perto o desenvolvimento de questões ligadas à vida e à família em nossa nação. Sem dúvida alguma, nestas questões a sociedade brasileira tem trilhado no caminho da impiedade por conta de um governo que, além de permitir a iniqüidade, em muitos casos a apóia.

Antes de continuar, deixe-me dizer que, como a Bíblia instrui, oro pelo presidente da República e por seu governo. Mais do que orar, nutro admiração pelo nosso presidente. Sua história de pobreza no sertão nordestino e sua ascensão ao cargo mais alto da nação é algo que me fascina. Sempre votei no Lula. Sendo eu filho de um bravo nordestino, metalúrgico e ligado ao sindicato, então, logo simpatizei com a figura do nosso presidente. Todavia, como pastor presbiteriano, não posso me calar diante das iniquidades que seu governo tem cometido e que ainda pretende cometer em nossa nação. Exponho a partir de agora quais são estas iniquidades:

1. Erotização de nossas crianças

O Governo Federal, através dos Ministérios da Saúde e da Educação, tem produzido material com imoralidade para ser distribuído aos nossos filhos sob o pretexto de educação sexual.

Veja por si mesmo nos links abaixo:

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/cartilha-governo-lula-estimula-alunos-13-19-anos-narrar-suas-transas/
http://www.diversidade.papocabeca.me.ufrj.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3&Itemid=3&lang=pt
http://www.papocabeca.me.ufrj.br/diversidade/DiversidadeWeb.pdf
http://noticias.r7.com/vestibular-e-concursos/noticias/recife-recolhe-livro-de-educacao-sexual-para-criancas-20100428.html

O Governo Federal, que deveria ser o guardião da educação de nossos filhos é hoje quem mais os encaminha para a imoralidade sexual.

A Bíblia diz: "Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele" (Provérbios 22.6). Deus vai cobrar do atual governo o que ele tem feito na educação de nossas crianças.

2. Incentivo ao homossexualismo

No dia 14/05/2009 o Governo Federal lançou o Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). O plano é formado por 51 diretrizes que têm o objetivo de influenciar todos os segmentos da sociedade com a filosofia homossexual. O Governo Federal é o maior patrocinador do movimento homossexual no Brasil.

Veja os links abaixo:

http://www.presidencia.gov.br/estrutura_presidencia/sedh/brasilsem/plano_lgbt/
http://www.abril.com.br/noticias/brasil/governo-lanca-plano-defender-direitos-civis-populacao-lgbt-470514.shtml
http://portal.mj.gov.br/sedh/homofobia/planolgbt.pdf

Em paralelo a estas ações de expansão de incentivo ao homossexualismo, o Governo também trabalha na aprovação do Projeto de Lei 122/2006, apelidado de "lei da mordaça", que pretende criminalizar a discordância ao homossexualismo. Se aprovado, o projeto atentará contra a liberdade de expressão prevista em nossa Constituição e permitirá ao Estado punir qualquer indivíduo que demonstrar discordância quanto à prática homossexual.

A Bíblia diz: "Se também um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram coisa abominável" (Levítico 20.13). "Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si; pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém! Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza; semelhantemente, os homens também, deixando o contacto natural da mulher, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, cometendo torpeza, homens com homens, e recebendo, em si mesmos, a merecida punição do seu erro" (Romanos 2.24-27).

3. Defesa do aborto

Em Setembro de 2007 o PT aprovou seu apoio à legalização do aborto:

http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI1874487-EI7896,00.html

Em 2008 a Fiocruz, instituição vinculada ao Ministério da Saúde, liberou R$ 80 mil para a filmagem do vídeo "O fim do silêncio", que mostra depoimentos de mulheres que abortaram seus filhos e defendem a descriminalização da prática. A diretora Thereza Jessouroun diz, na reportagem, ter idealizado o roteiro ao ouvir declarações do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, a favor da descriminalização do aborto. De acordo com ela, o projeto se materializou após a abertura do edital da Fiocruz, cuja direção é nomeada pelo ministro.

Veja notícia do Jornal O Globo abaixo:

http://oglobo.globo.com/pais/mat/2009/01/04/filme-reacende-polemica-em-torno-do-aborto-587883773.asp
Por ser o PT oficialmente favorável ao aborto, em Setembro de 2009 ele puniu dois deputados federais por serem contrários à posição abortista.

Veja a matéria abaixo:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u625663.shtml
Além disso, o novo Programa Nacional de Direitos Humanos, assinado pelo presidente em Dezembro/2009, defende a legalização do aborto, o que gerou manifestações de grupos contrários ao aborto em todo o país.

Veja o link:

http://www.midiasemmascara.org/artigos/aborto/10913-declaracao-pro-vida-contra-o-pndh-3.html

Diante destes fatos que atentam contra a família, a vida e contra nossas crianças, torno pública minha intenção de voto: Votarei pela não continuidade deste governo.
Quem me conhece sabe que nunca misturei política com ministério, todavia, creio que o momento é grave e necessita de um posicionamento dos líderes religiosos. Todo cristão deve atentar para o que está acontecendo e manifestar o repúdio às iniquidades deste governo por meio do seu voto. Não podemos deixar que haja a continuidade deste governo.

Conclamo você, meu amigo, a continuar orando pelas nossas autoridades, a orar pelas eleições que se aproximam e a votar conscientemente, não escolhendo aqueles que praticam a impiedade.

Termino com alguns versículos:

"Ai daqueles que, no seu leito, imaginam a iniquidade e maquinam o mal! À luz da alva, o praticam, porque o poder está em suas mãos" Miquéias 2.1.

"Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo!" Isaías 5.20.

"Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra" 2 Crônicas 7.14.

REV. AGEU CIRILO DE MAGALHÃES JR
Pastor Presbiteriano

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Chorar e Sorrir

Este é um dos hinos que mais gosto de cantar com a igreja
aí vai ele cifrado.
De Nani Azevedo

D G D
Eu me alegro quando vejo você prosperar
C Am D D4
No amor e em todo sentido da vida
G Bm
Fico feliz em saber que você é feliz
Am C
A Palavra me diz
D A/C#
Eu devo te amar assim

C D D4 G
Eu quero chorar quando você chorar
D D4 G
Eu quero sorrir quando você sorrir
Em
Vou te abençoar
Bm Am C
Em Cristo Jesus vou dizer:
Am D G
Meu irmão, eu amo você

D G
Os problemas da vida
D
Eu sei que não vão
C Am D D4 D
Separar-nos do amor de Cristo Jesus
G
Então me dê sua mão,
Bm
Sinta a comunhão
Am C D D4 D
Que eu tenho contigo, amado irmão

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Dilma duas caras...



A candidata à Presidência do PT, Dilma Rousseff, disse há pouco que se comprometeu a estudar divulgar uma carta dizendo que não irá mexer na legislação sobre o aborto e que considera o casamento entre homossexuais uma questão das igrejas.

Segundo a candidata, a carta foi definida após encontro que ela teve com evangélicos em Brasília hoje.

Dilma fez a declaração enquanto visitava o Centro Integrado de Reabilitação de Teresina.

PRESSÃO


Líderes evangélicos cobraram da candidata nesta quarta-feira que apresente uma "carta aberta à nação" com compromissos firmes contra temas-tabus para os religiosos.

O apelo é para que a petista seja mais contundente em relação ao aborto, casamento homossexual, adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo e liberdade religiosa.

Alguns líderes religiosos chegaram a garantir que, se eleita, ela vetará qualquer iniciativa que afronte algumas dessas pautas.

A sugestão foi apresentada hoje durante um encontro da candidata com 51 representantes dos segmentos evangélicos.

"Falar mal é fácil. Para falar bem você precisa de argumentação. [...] O problema é que estamos perdendo a guerra por falta de contundência", disse o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que nos últimos dias visitou 12 templos defendendo o voto em Dilma.

No discurso aos aliados, Dilma pediu o empenho das bases à sua campanha e, segundo relatos, teria repetido ser contra o aborto. No início de sua intervenção, a candidata declarou precisar primeiro da ajuda de Deus e dos votos cristãos para ganhar.

A avaliação dos aliados é de que é preciso executar ações de mídia para rebater os boatos que circulam nos segmentos religiosos contra a candidata. Após a reunião, políticos e líderes evangélicos gravaram depoimentos para serem usados na propaganda eleitoral.

"Ela não vai encaminhar nem sancionar qualquer coisa que ofenda os direitos religiosos, que descriminalize o aborto ou que promova o casamento homossexual", afirmou o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) - será que ele se esqueceu que o seu tio e Bispo Edir Macedo pensa como o PT?

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Contra o aborto, bancada evangélica cresce 47%

A bancada de bispos, pastores e integrantes das igrejas evangélicas saiu das eleições de domingo com mesmo número de parlamentares do PSDB

Com o ataque à descriminalização do aborto e ao casamento gay como bandeiras, a bancada evangélica aumentou sua participação no Congresso Nacional em quase 50%. A bancada de bispos, pastores e integrantes das igrejas evangélicas saiu das eleições de domingo com mesmo número de parlamentares do PSDB. Só perde agora para as bancadas do PT e do PMDB, partidos com o maior número de representantes no Congresso.

Levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap)registra a reeleição de 32 dos 45 parlamentares da bancada e a eleição mais de 34 integrantes de igrejas evangélicas. Com Assembleia de Deus à frente na contabilidade, a bancada tem agora 63 deputados e 3 senadores.

Os números mostram que a bancada evangélica reverteu o desfalque sofrido nas eleições de quatro anos atrás _ e que interrompeu um crescimento iniciado nos anos 80. A bancada minguou na eleição de 2006 em decorrência do envolvimento de parte de seus integrantes nos escândalos do mensalão e dos sanguessugas. Esse último flagrou parlamentares no esquema da compra de ambulâncias por preços superfaturados.

A lista de novatos no Congresso inclui o ex-governador Anthony Garotinho (PR-RJ), que disputou a eleição graças a uma liminar obtida na Justiça, e a cantora gospel Lauriete Rodrigues (PSC-ES).

Outro novato na Câmara, o diácono da Assembleia de Deus Erivelton Santana (PSC-BA) disse ontem que a prioridade no mandato será se opor aos projetos que "não se identificam com princípios bíblicos", como a descriminalização do aborto. Ele disse que também foi eleito para defender interesses institucionais das igrejas evangélicas , como evitar a cobrança de impostos sobre contribuições e dízimos dos fiéis.

O presidente da Frente Parlamentar Evangélica, deputado João Campos (PSDB-GO), um dos reeleitos, já apostava no crescimento, movido, segundo ele, pelo combate a propostas de lei "consideradas nocivas à sociedade".

O blog da frente registra as prioridades para a legislatura que começa em fevereiro: "Projetos como legalização do aborto, casamento entre pessoas do mesmo sexo, mudança do conceito de família, Plano Nacional de Direitos Humanos e projetos homofóbicos que criminalizam pastores e demais que ousarem protestar contra o pecado da homossexualidade são objetos de luta para não aprovação da Frente Parlamentar Evangélica".

O Plano Nacional de Direitos Humanos, lançado pelo governo Lula no final do ano passado, foi alvo de campanha da frente em março. Na "Carta de Brasília", divulgada pela bancada, os líderes evangélicos se insurgiram contra o apoio do plano, em sua versão original, à descriminalização do aborto e à união civil de pessoas do mesmo sexo.

O documento também investiu contra o homossexualismo ao defender que é "dever do Estado disponibilizar meios para indivíduos resgatarem sua condição original de gênero".

Os evangélicos também trabalharam neste ano contra o projeto que torna crime a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero, que fica sujeita a pena de multa e reclusão, da mesma forma como a discriminação por raça, cor, etnia, religião, sexo e gênero.

O grupo fez campanha a favor do "Estatuto do Nascituro", projeto de lei que aumenta punições a condutas ligadas ao aborto e tenta garantir a vida de bebês concebidos em estupros, uma das hipóteses em que a legislação já permite o aborto.

A bancada evangélica é uma das maiores bancadas suprapartidárias com atuação no Congresso, ao lado da bancada ruralista. O PSC é o partido com o maior número de parlamentares no grupo, que reúne integrantes da base de apoio do governo Lula e também da oposição.

Bancada evangélica quer barrar o PNDH-3

Com um número maior de políticos eleitos, a bancada evangélica no Congresso já definiu as prioridades: trabalhar contra a aprovação de propostas como a descriminalização do aborto e contra o PNDH-3 (Plano Nacional dos Direitos Humanos).

O grupo --que cresceu dos atuais 56 para 68 congressistas eleitos, segundo a frente evangélica-- tem como uma das metas trabalhar pela extinção do programa enviado ao Legislativo pelo governo.

"O fundamental é a revogação do PNDH-3", diz Anthony Garotinho (PR-RJ), eleito deputado federal com cerca de 700 mil votos.

Após forte reação, o governo tirou do programa pontos como a revisão da lei que pune quem se submete ao aborto. Outro ponto polêmico é a retirada dos símbolos religiosos de prédios públicos.

A bancada não considera as mudanças suficientes. Garotinho vincula seu engajamento na campanha da presidenciável Dilma Rousseff (PT) à retirada de temas como a garantia de direitos trabalhistas às prostitutas e a adoção por casais gays.

Presidente da frente evangélica, o deputado João Campos (PSDB-GO) também defende a revisão: "O governo tirou a diretriz que recomenda a descriminalização do aborto e colocou no lugar que considera o aborto uma questão de saúde pública".

O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) saiu em defesa de Dilma Rousseff (PT), que, se for eleita, não vai encaminhar ao Congresso "propostas contra a vida".

Manifesto contra o PT


Publicado em :Domingo, 26/09/2010

Pastores organizam ato e alegam que petistas "atentam contra a Bíblia" numa crítica implícita à candidatura da ex-ministra da Casa Civil Dilma Rousseff

Doze igrejas evangélicas de Jaboatão dos Guararapes realizam, quase às vésperas da eleição, um protesto político nada comum no estado. O evento que começa às 16h de amanhã prevê carreata com saída na Rua Santo Elias, em Prazeres, e pastores de várias denominações pretendem fazer um manifesto pró-família e contra o Partido dos Trabalhadores (PT). Para o presidente do Conselho de Pastores, Pedro Rodrigues dos Santos, que conta com o apoio de mais 11 pastores de igrejas diferentes, nunca houve tantos ataques no país contra a família como na gestão do PT.

Um manifesto assinado por 12 pastores de igrejas tradicionais de Jaboatão, como a Assembleia de Deus, a Assembleia de Deus Madureira, a Batista (de Prazeres, Jaboatão e Cavaleiro), a Presbiteriana, a Anglicana, a Metodista, a Brasil para Cristo, entre outras, apresenta, em quatro páginas, um "Manifesto pela família", e enfatiza que o PT está à frente de vários projetos e programas que atentam contra os ensinamentos da Bíblia.

De acordo com o pastor Pedro Rodrigues, existem pelo menos três projetos em tramitação na Câmara dos Deputados, de autoria de deputados petistas, que "beneficiam o segmento homossexual e ameaçam amordaçar a igreja". Ele também ressalta que o Programa Nacional de Direitos Humanos aprovado pelo presidente Lula no final de 2009 é uma "afronta ao que pregou Jesus Cristo".

"Não há dúvidas que esse movimento é contra o PT e contra a presidenciável Dilma Rousseff. O PT é a favor da descriminalização do aborto, da legalização da maconha, das cirurgias de mudança de sexo, da Lei contra a homofobia (PLC 122/2006), da legalização da prostituição, do casamento homossexual#", enumerou. "Nosso maior candidato é Jesus", acrescentou Pedro Rodrigues.

Indagado se esse protesto, a uma semana das eleição, não beneficiaria o presidenciável José Serra (PDSB) ou a candidata Marina Silva (PV), o pastor reconheceu que sim. "Agora, se eles (os candidatos) também forem a favor de todas essas coisas defendidas pelo PT, vão ter uma Igreja aguerrida contra eles. Acabou-se o tempo da Igreja calada. Não queremos que o estado invada a Igreja", disparou o pastor.

O presidente estadual do PT, Jorge Perez, disse estar surpreso com esse tipo de protesto político. "Isso parece uma armação", declarou, ao saber do conteúdo do manifesto que vem circulando nas Igrejas de Jaboatão. O texto do manifesto diz, entre outros pontos, que uma "vitória do PT ou associados" trará graves consequências aos evangélicos, como "cultos a portas fechadas" e "obrigação de pagar impostos sobre dízimos e ofertas". "Tem pontos que são pura mentira e vamos encaminhá-los para apreciação do nosso jurídico", avisou Perez.

De acordo com o presidente da ONG Leões do Norte, Wellington Medeiros, o projeto 122/2006, da deputada Iara Bernardi (PT-SP), criminaliza a homofobia, mas não impede que os pastores preguem aquilo que acreditam nos cultos. "Eles só não podem fazer isso em rádios e televisões, que são concessões públicas", advertiu. "Esses pastores estão usando o nome de Deus para castigar uma parcela da sociedade que precisa da proteção do estado. Isso é hipocrisia", completou Wellington.