quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Filho Amado - Laura Souguellis // Fornalha Dunamis - Março 2015

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

MP instaura inquérito para analisar conteúdo religioso na TV aberta

O procurador da República Sérgio Suiama, do Ministério Público do Rio de Janeiro, instaurou um inquérito para analisar a proliferação de conteúdo religioso veiculado na Band, Record, RedeTV!, TV Gazeta e CNT. O inquérito surge após a denúncia de um telespectador.

De acordo com a colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo, as emissoras Band e Record já responderam ao questionário enviado pelo procurador. No entanto Suiama solicitou novas informações.

A publicação informa que a RedeTV! pediu mais tempo para responder e a Gazeta ainda não enviou suas respostas. Como o MPF de São Paulo tem uma ação em andamento (de 2014) contra a CNT, a empresa foi excluída do inquérito.

Doses de Ânimo 24 _ VIDA FAKE

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Graça Sobre Graça

Ousamos confiar e fincar nossa esperança na mais feliz de todas as notícias – se Deus permite o desafio, ele providenciará a graça para enfrentá-lo. Deus tem graça o bastante para solucionar cada dilema que você enfrentar, enxugar cada lágrima que você derramar, e responder a cada dúvida que você tiver.

Esperaríamos qualquer coisa a menos de Deus? Será que ele enviaria seu filho para morrer por nós e não daria o seu poder para nos sustentar? Paula viu esta lógica como impossível. A Escritura diz “Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará juntamente com ele, e de graça, todas as coisas?” (Romanos 8:32).

Será que Jesus está do meu lado? É só olhar para a ferida nele. Tendo dado o supremo e mais caro dos presentes, como é que ele poderia falhar em nos dar tudo que ele tem? Se Deus permitir o desafio, ele dará a graça para encará-lo.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Quem Tem Medo De Fracassos?

"Prepara-se o cavalo para o dia da batalha,
porém do SENHOR vem a vitória" (Provérbios 21:31).

Um homem foi encorajado a desistir de um projeto que só
acumulava insucessos. Havia tentado varias vezes e não dera
certo. "Não é melhor desistir?" dizia um; "Tente outra
coisa", dizia outro. "Você jamais conseguirá", acrescentava
um terceiro. O homem, com um semblante cansado -- mas com o
brilho da coragem e da ousadia, sempre respondia: "Enquanto
eu estiver certo de que Deus me dará a vitória, nenhum
fracasso será capaz de me amedrontar". Pouco tempo depois
ele viu sua perseverança recompensada. Conseguiu o que
queria, alcançou todos os seus objetivos e experimentou a
verdadeira felicidade.



Quando oramos e pedimos a aprovação do Senhor em nossos
propósitos, sabemos que a vitória virá, mesmo que demore um
pouco... ela virá! Se o Senhor nos promete: "Eu sou contigo",

de que teremos medo? Por que desistir? A força que nos

manterá firme contra os fracassos e decepções vem dele!

Há duas maneiras de se buscar a realização de um sonho: a
primeira consiste em caminhar por nossa própria conta, com
nossos próprios esforços, confiando plenamente em nossa
capacidade -- quase sempre não chegamos a lugar algum. A
segunda consiste em entregar a vida ao Senhor, deixar que
Ele nos conduza segundo Sua vontade, no tempo que Ele
determinar -- a certeza de que chegaremos lá é certa e nos
enche de alegria e entusiasmo.

Quando nossos projetos são iniciados com a aprovação e
direção de Deus, não importam os fracassos e as palavras
negativas, o que importa é que a bênção já está assegurada,
mesmo antes de iniciá-los.

Você tem medo de fracassos? E onde fica a sua fé?

Pr. Paulo Roberto Barbosa

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Adotado na Família de Deus



01/08/2016 - Devocional Diário

Aceitar a graça de Deus significa aceitar a oferta de Deus para ser adotado na família dEle! Sua identidade não é constituída pelas suas poses, talentos ou conquistas. Nem tampouco você é definido(a) pelas suas deficiências ou escolhas bobas. Você é filho(a) de Deus. Você pode chamá-Lo de “Papai”. E Paulo diz na Escritura que “temos livre acesso a Deus em confiança” (Efésios 3:12). A adoção é tanto horizontal quanto vertical. Você é incluído na família eterna. Paredes de divisão de hostilidade são quebradas, e a comunidade é criada na base de um Pai em comum. Família mundial instantânea!

Confie no veredito de Deus. Se Deus lhe ama, você deve merecer ser amado! Se ele lhe quer no reino dele, então você deve merecer ser querido. A graça de Deus requer que você mude sua atitude sobre si mesmo e tome o lado de Deus sobre qualquer sentimento de rejeição que você tiver!

Max Lucado

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Os Pecados dos Fariseus

As palavras fortes de Jesus "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas" ecoam através de todo Mateus 23 (versículos 13,14,15,23,25,27,29). Os evangelhos estão cheios de controvérsias entre Jesus e os fariseus (Mateus 9:11,34; 12:2,14,24,38; 15:1,12; 16:6-12; Lucas 11:37-44; 12:1 e muitos outros textos). Quem eram estes fariseus e por que Jesus se opunha tanto a eles? Os fariseus eram um grupo religioso que se originou dois séculos antes de Cristo. Eles eram líderes de um movimento para trazer o povo de volta a uma submissão estrita à palavra de Deus e eram considerados geralmente como os servos mais espirituais e devotos de Deus. A oposição vigorosa de Jesus contra eles deixava muitos perplexos. A maioria das pessoas daquele tempo pensava que se alguém fosse fiel ao Senhor, certamente seriam os fariseus. O Senhor decididamente inverteu os valores do mundo (Lucas 16:15). Se Jesus fosse retornar hoje, a quem ele se oporia? Seriam aqueles a quem respeitamos bastante? Ele nos atacaria como criticava os fariseus? Precisamos pesar as razões por que Jesus os repreendia e então olhar cuidadosamente para nossas próprias vidas (Mateus 5:20; 16:6,12).

Seguiam a tradição

Os fariseus seguiam não somente a lei escrita de Deus, mas também as tradições orais que lhes tinham sido passadas. Eles acreditavam que ambas eram a vontade de Deus. Jesus não seguiu as tradições deles; da¡, eles atacaram-no (Mateus 15:1-14; Marcos 7:1-13). Ele respondeu às críticas deles distinguindo claramente entre a lei de Deus e os mandamentos dos homens. Jesus guardou todas as leis de Deus, mas sempre ignorou as regras do homem. Ele lhes mostrou que, guardando a tradição, os fariseus na realidade quebravam a palavra de Deus (Mateus 15:3-6). Muitas igrejas modernas imitam os fariseus. Elas se agarram a suas tradições acima da palavra de Deus. Muitas delas têm credos ou catecismos junto com a Bíblia aos quais eles dão sua fidelidade. Outros colocam os ensinamentos do pastor, pregador ou papa no mesmo nível com as Escrituras. Jesus advertiu: "Em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens" (Mateus 15:9).

A idéia dos fariseus era colocar uma cerca em volta da lei de Deus. Desde que a lei de Deus proibia o trabalho no sábado, por exemplo, eles proibiam as mulheres de olharem num espelho no sábado. O raciocínio deles: se uma mulher olhasse num espelho poderia ver um cabelo branco e ser tentada a arrancá-lo, e arrancar poderia ser trabalho. Eles Estamos procurando impressionar os homens ou servir a Deus humildemente?estavam procurando fazer uma cerca mais restritiva que a palavra de Deus. O motivo deles era louvável; eles queriam estar certos de que ninguém jamais quebrasse a lei de Deus. Eles pensavam que não rompendo-se a cerca, não se chegaria nem perto de quebrar a lei. Havia apenas um problema com a abordagem deles: se Deus quisesse uma cerca em volta de sua lei, ele mesmo teria construído uma. Ele não o fez; portanto, nós também não dever¡amos fazê-lo (Mateus 23:4; Lucas 11:46). As igrejas de hoje também acrescentam regras que vão além dos mandamentos da Bíblia. Regras extremas quanto ao vestuário e regulamentos minuciosos sobre cada pormenor da vida são certamente herdeiros legítimos da herança farisaica.

A solução para tudo isso é bem simples: examine a origem do ensinamento. Se é de Deus (isto é, está na Bíblia), então deve ser seguido. Se não, não deve, porque "toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada" (Mateus 15:13).


Buscavam ser honrados

Jesus condenou os fariseus pelo interesse deles em impressionar os outros (observem Mateus 23:5-12; Marcos 12:38-40; Lucas 16:15; 20:46-47). Eles tinham aperfeiçoado diversas técnicas de chamar atenção, como usar roupas especiais para fazê-los parecer mais religiosos, orar e jejuar de modos muito visíveis (Mateus 6:1-18), e disputar pelas posições mais elevadas tanto na sinagoga como no mercado. Eles insistiam em que os outros lhes dessem títulos especiais de respeito, quando os saudassem, porque queriam ser notados e admirados.

Satanás ainda consegue colocar orgulho humano nos corações de muitos "cristãos". Quantos líderes religiosos de nossos dias imitam estes fariseus em quase todas as minúcias, usando roupagem especial para distingui-los como "clérigos", usando títulos especiais, e adorando com grande pompa e cerimônia? A religião nos nossos dias tem sido reduzida a uma questão de espectadores aplaudindo os atos deslumbrantes daqueles que estão no palco. O holofote têm sido apontado para o pastor eloqüente, cheio de si, de maneira que poderia causar inveja até a um fariseu. Estamos procurando impressionar os homens ou servir a Deus humildemente?


Amavam o dinheiro

Os fariseus eram cobiçosos (Lucas 16:14). Jesus os acusou de roubalheira (Mateus 23:25) e de devorar as casas das viúvas (Marcos 12:40; Lucas 20:47). É difícil saber exatamente como eles "devoravam" as casas das viúvas; talvez persuadindo-as a fazer grandes doações. Certamente, pessoas de má fé no meio religioso hoje em dia têm explorado os pobres e velhos forçando-os a fazerem doações além de suas condições. Alguns até ridicularizam as doações pequenas (chocante, à vista de Lucas 21:1-4; Marcos 12:41-44) e garantem bênçãos financeiras do Senhor em troca de enormes ofertas. Claramente, assim como seus mentores antigos, eles cobrem sua exploração com um verniz de fervor religioso (observe as longas orações de Marcos 12:40; Lucas 20:47). Não é de admirar que Jesus advertisse: "Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas, porque rodeais o mar e a terra para fazer um prosélito; e, uma vez feito, o tornais filho do inferno Os hipócritas religiosos de nossos dias cumprem seus deveres religiosos externos perfeitamente, mas permitem que pecados como orgulho, inveja e ódio floresçam por dentro.duas vezes mais do que vós" (Mateus 23:15).


Viviam hipocritamente

Os fariseus eram falsos, pretendendo ser algo que não eram. Eles limpavam minuciosamente o exterior (a parte que as pessoas podiam ver), mas negligenciavam a justiça interior (Mateus 23:23-33). Eles invertiam o que era racional. Uma vez que o pecado começa no coração, a operação de limpeza tem que começar aí também. Jesus comparou a maneira farisaica com alguém que limpasse cuidadosamente o exterior de uma taça ou prato, mas deixasse comida apodrecendo por dentro sem se importar com isso. Conquanto não se queira beber numa taça que esteja suja por fora, a primeira preocupação é com a limpeza interior. Os hipócritas religiosos de nossos dias cumprem seus deveres religiosos externos perfeitamente, mas permitem que pecados como orgulho, inveja e ódio floresçam por dentro.

Os fariseus demonstravam hipocrisia de um segundo modo. Eles desequilibravam-se, dando o dízimo de cada pequena erva enquanto ignoravam totalmente os princípios mais importantes da vida espiritual. Jesus comparou-os com alguém que se certificasse de ter coado cada mosquito de sua bebida; após, porém, engolisse um camelo inteiro! Ele não estava criticando a insistência farisaica por um dízimo rigoroso, mas dizendo que a ênfase precisava ser posta na fidelidade, no amor e na justiça. Infelizmente, os escrúpulos dos fariseus em atender às minúcias deixavam que eles se sentissem justificados por negligenciar princípios elementares da lei. Do mesmo modo, muitas igrejas de nossos dias ressaltam pontos relativamente menores à custa da negligência completa dos assuntos de maior peso. Quando elas têm maior interesse pelo exato comprimento do cabelo de uma mulher ou pelo uso de gravata pelo homem e interessa-lhes menos a honestidade, a pureza moral e o amor a Deus, estão seguindo perfeitamente no caminho trilhado pelos fariseus.


Eram cegos

Jesus expôs a cegueira de sua geração (Mateus 13:13-15). Apesar de examinarem as Escrituras diligentemente, os fariseus deixavam de ver o que elas estavam indicando (João 5:39-40). Sua pesquisa exaustiva e horas incansáveis de estudo não produziam para eles discernimento da verdadeira mensagem da Bíblia.

O que causava a cegueira deles? Eram preconceituosos, permitindo que seus desejos velassem o que as Escrituras ensinavam. Seu orgulho impedia-os de se humilharem o suficiente para permitirem que o Senhor abrisse seus olhos (João 7:45-52; 9:24-34). Eles deturpavam as palavras que Jesus dizia e negavam seus milagres (Mateus 12:22-24). Eles recorriam a desonestidade absoluta (Mateus 28:11-15). A questão penetrante é: somos cegos também? Ler a Bíblia não nos imuniza. Somente um coração terno e um amor pelo Senhor nos capacitarão a entender as Escrituras que lemos.


Rejeitavam o Propósito de Deus

"Todo o povo que o ouviu e até os publicanos reconheceram a justiça de Deus, tendo sido batizados com o batismo de João; mas os fariseus e os intérpretes da lei rejeitaram, quanto a si mesmos, o desígnio de Deus, não tendo sido batizados por ele" (Lucas 7:29-30). Os fariseus rejeitaram a Deus, recusando-se a serem batizados por João. Hoje, quando as pessoas argumentam contra ou tentam mudar o padrão bíblico do batismo, elas imitam os fariseus e negam o propósito de Deus.


Talvez não nos surpreenderíamos ao saber que os homens ainda agem como fariseus. Os homens não mudam muito. Deus não muda nunca. Ele se opõe aos modernos fariseus da mesma maneira que se opunha aos antigos. "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas..."

- por Gary Fisher

terça-feira, 28 de junho de 2016

Um Olhar Honesto e Uma Mão de Ajuda

Alguns anos atrás Bzuneh Tulema era o bêbado da cidade em Adama, Etiópia. Ele e sua esposa deixaram seus filhos com vizinhos e se resignaram com um fim de bebedice. Mas, aí alguém os viu. Membros de uma igreja da região começaram a levar comida e roupa para eles, convidando-os para cultos de louvor. Bzuneh não se interessava. A esposa dele, Bililie, se interessou. Ela começou a ficar sóbria e a considerar a história de Cristo. A promessa de uma nova vida. A proposta de uma segunda chance. Ela acreditou. Bzuneh não foi tão rápido. Amigos o encontraram bêbado, quase morto, e o levaram à igreja, e compartilharam Jesus com ele. Ele nunca mais tomou uma gota de bebida.

Tudo começou com um olhar honesto e uma mão de ajuda. Olhares compassivos encontrando pessoas desesperadas. Mãos fortes ajudando fracos. Daí, o milagre de Deus! Nós fazemos nossa pequena parte – ele faz a parte grande!

Tradução por Dennis Downing
de “God Is With You Every Day”

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Você Quer Voltar?

"Torna a dar-me a alegria da tua salvação" (Salmos 51:12)

"Sou um homem triste, corroído de arrependimentos, derrotado por meus próprios erros. Recebi dons e talentos de Deus e os escondi na prateleira de minha indiferença. Tive muitas oportunidades e a todas ignorei. Deixei minha igreja, meus irmãos e o amor com que me tratavam. Preferi outros caminhos, outras companhias que só me ajudaram a descer mais e mais no poço de minha perdição. A minha negligência me destruiu, levou-me à morte espiritual." (um cristão que abandonou o caminho do Senhor)

Quem já experimentou a bênção de ter Jesus no coração e dela se afastou, tem tudo para ser triste, sem motivação, sem sonhos, completamente derrotado. Tinha paz e a ignorou. Tinha fé e a deixou partir. Tinha esperança e não tem mais. Tinha a vida abundante que Cristo ofertou e acabou perdendo-a simplesmente porque trocou Deus pelo mundo.

Mas essa tristeza pode ser mudada. A felicidade pode ser reconquistada. O caminho perdido pode ser reencontrado. E a vida abundante e eterna depende unicamente de uma tomada de decisão: vou voltar e abrir novamente meu coração para o Senhor Jesus.

Ele jamais guarda rancor e sempre tem os braços abertos para nos receber quando nos arrependemos de uma atitude insensata. Ele nos ama, nos perdoa e esquece todo os pecados dos quais nos arrependemos.

Você quer voltar? Basta dizer "sim" que sua alegria reaparecerá.

Pr. Paulo Roberto Barbosa

Partido Progressista em Caruaru ainda com posicionamento em aberto!

O partido progressista anda valorizado em Caruaru. Além do tempo de guia desejável que o partido dispõe, conta também com o vereador mais votado na última eleição, Dr. Demóstenes Veras que é cotado como vice em diversas chapas. 

Tendo em vista essas especulações, realizamos uma uma ótima reunião no último sábado. Zélia Matos Secretária estadual do PP e Pedro Paulo da TV Nova Nordeste que também é membro influente do partido na estadual, estiveram conosco. 

Passamos o nosso pensamento, ouvimos a estadual e no final as possibilidades foram ampliadas. O nosso posicionamento está em aberto.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Um Novo Cântico


Louvai ao SENHOR. Cantai ao SENHOR um cântico novo, e o seu louvor na congregação dos santos. Salmos 149:1

O que você pode dizer sobre uma pessoa que se diz ser Cristão, mas não se comporta como tal. Deus coloca um cântico nos corações dos seus filhos salvos. Alguns cantam este cântico em alto e bom som cada dia das suas vidas. Em outros casos, o cântico cai no silêncio. Os incidentes e sofrimentos da vida emudecem a música interna. Longas estações passam em que a música de Deus não é cantada.

A verdade é, que nem sempre sabemos se alguém confiou na graça de Deus. Uma pessoa pode ter fingido crer, mas não ter sido sincera. Se a fé de alguém é verdadeira ou não, não é para a gente decidir. Mas sabemos isso: aonde tiver conversão verdadeira, há salvação eterna. Nosso trabalho é confiar na habilidade de Deus para chamar seus filhos para seu lar. Nós nos juntamos a Deus enquanto ele anda entre seus filhos desviados e machucados, cantando. Com o tempo os seus ouvirão a sua voz, e algo dentro deles irá acordar. E quando isso acontecer, eles começarão a cantar de novo.

Max Lucado


quinta-feira, 9 de junho de 2016

RECOMEÇAR

Lc 15.11-24

Dizem que todo começo é difícil, mas o recomeço é mais difícil ainda. Ou será que todo começo é fácil e o recomeço é mais fácil ainda? O que você acha? Você já teve que recomeçar alguma coisa na sua vida? A parábola do filho pródigo apresenta a narrativa de alguém que decide recomeçar sua caminhada com o pai, reconhecendo seus erros, arrependendo-se e pedindo perdão. Vamos extrair algumas lições práticas para a nossa vida nessa parábola contada por Jesus e escrita pelo Evangelista Lucas.

Para recomeçar precisamos de coragem

O “Filho pródigo” teve coragem de abandonar o seu lar, a sua família e numa aventura insana, irresponsável e completamente equivocada, “partiu para uma terra distante e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente” (Lucas 15:13) Ora, quantos “pródigos” que tiveram coragem de tomar decisões erradas ou precipitadas, mas que não tem coragem de reconhecer os seus erros e voltar atrás, arrependido? Deus, nosso Pai, por muito nos amar e sabendo como é difícil para nós fazermos o caminho de volta, Ele nos encoraja a voltar e ensina que está disposto a nos receber de braços abertos e com festa (Lucas 15:20). Convido você que se distanciou do Pai para voltar agora! Convido você que sente o desejo de mudar de vida a lançar-se nos braços do Pai!

Para recomeçar precisamos ser humildes

O Filho pródigo demonstrou humildade quando decidiu recomeçar, dispondo-se a ser recebido até mesmo como um empregado (Lucas 15:17-19). Não importa quantas vezes você já tentou mudar de vida, abandonar as drogas, quantas vezes você prometeu ser um crente fiel, o que importa para o Pai é que você decida se levantar e vá ao encontro dEle e seja humilde para suplicar a Sua ajuda, o Seu socorro e a Sua salvação! Lembro-me de um discípulo que agiu como o “Filho Pródigo”, distanciando-se completamente de Deus, mas que não teve a coragem e a humildade de voltar, apesar de sentir o desejo no coração e saber que essa seria a decisão correta. Você está precisando recomeçar algo na sua vida? Você deseja a ajuda de Deus para esse recomeço? Saiba que Deus está de braços abertos para você! Decida recomeçar com deus e você será vitorioso!

Para recomeçar precisamos de uma decisão

Acho muito interessante a expressão do pródigo: “Caindo porém em si” Isso quer dizer que ele reconheceu o seu erro e entendeu que precisava recomeçar a sua vida, mas de nada adiantava reconhecer, sem que ele tomasse uma decisão para recomeçar. Muitos reconhecem que a sua vida não está boa, mas não tomam uma decisão para mudar de vida. Convido você a recomeçar a sua vida, e dessa vez, recomeçar de forma certa, com a bênção de Deus. Convido você a recomeçar projetos abandonados, mas colocando-os diante do Senhor para que Ele abençoe. Convido você a mudar a história da sua vida, colocando Jesus no centro dela. Convido você a tomar a decisão mais importante da sua vida: Receber a Jesus como seu Senhor e Salvador!


Conclusão: Nossa vida é o resultado de decisões que tomamos. Para cada decisão acertada, um sucesso conquistado, mas para cada decisão errada, uma derrota acumulada. Na vida, temos erros e acertos e sempre estaremos recomeçando, tentando sempre acertar. Enquanto há vida, é possível recomeçar! Só não pode recomeçar que já morreu! Então, decida agora “recomeçar” a sua vida com Deus, enquanto você tem vida para recomeçar!


Fonte: Maná diário

sábado, 4 de junho de 2016

UM RECOMEÇO COM DEUS



Portanto, fortaleçam as mãos enfraquecidas e os joelhos vacilantes.Façam caminhos retos para os seus pés, para que o manco não se desvie, mas antes seja curado”. - Hebreus 12:12-13

Todos erramos em diversas ocasiões e por mais que nos esforcemos para acertar em tudo, lá um dia nos pegamos no erro: uma palavra precipitada, uma decisão equivocada ou a perda de uma oportunidade. 

Mas apesar desta realidade nos acompanhar pela nossa natural imperfeição, Deus na sua misericórdia não permitiu que afundássemos impotentes no erro. Ele nos dá a chance de recomeçar!

Sim, uma das coisas mais importantes da vida é a oportunidade de retomar, começar de novo. E isso é imprescindível uma vez que certos problemas são como tempestades e deixam nossas vidas em ruínas.
É necessário reconstruir, recomeçar. O povo de Israel depois de desobedecer a Deus e ser levado cativo ao exílio teve que recomeçar – a construção, a religião e suas próprias vidas (Esdras 9.9). A mulher que tinha sido flagrada em erro recomeçou sua vida depois do “vá e não peques mais” dito misericordiosamente por Jesus diante de uma multidão com pedras nas mãos (João 8.11). 

Lembre-se daqueles que foram curados por Jesus e tiveram um recomeço digno, já que naquele tempo estar doente era também estar à parte da sociedade (João 5.8-10). Até mesmo o filho pródigo, que experimentou o mundo, teve uma oportunidade de recomeço junto ao pai. (Lucas 15.20).

E pessoalmente falando, a própria conversão a Jesus é caracterizada como um “nascer de novo”, ou seja, um recomeço na vida sob novos valores como salvos e justificados filhos de Deus (João 3.3).

Errar é humano. Recomeçar também. O que você está esperando para recomeçar? Talvez seja um recomeço no seu casamento, de uma amizade, ou o mais importante, um recomeço na presença de Deus, frequentando a igreja, se aproximando novamente do Pai.

Não olhe para sua vida com atitude de derrota. Não desista de sua família, dos seus dons e capacidades. Não abandone o seu chamado. Em Deus encontre forças para recomeçar. Recomece segundo a vontade e os valores que Deus deseja para sua vida. Junte sua história com a de diversas outras pessoas que recomeçaram da maneira correta e foram felizes com Jesus.

http://www.semeandovida.org/

sexta-feira, 3 de junho de 2016

TEMPO DE RECOMEÇAR!

”Mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial que Deus nos chama a receber” (Fp 3.13-14).


Desprender-se das coisas que ficaram para trás nem sempre é fácil, mas em alguns casos é necessário. Pode ser por várias razões, às vezes são coisas que gostamos muito de fazer, pode ser atitudes, modos, hábitos, às vezes pode ser decepção, mágoa, dor. Que difícil, não é mesmo? Todos nós sabemos o que enfrentamos e sabemos as dificuldades que temos para isso. Mas vemos aqui um modelo para nós. Nesse versículo Paulo mostra sua ousadia em prosseguir, em continuar.

Recomeçar é sempre difícil, ou no mínimo desafiador, mas um grande desafio pode trazer grandes contribuições para a vida. Neemias é um exemplo disso. Junto a seus ajudantes recomeçava uma grande obra. A probabilidade, portanto, de enfrentarem grandes desafios era previsível. Ninguém que se dispõe a realizar a obra de Deus ficará isento de grandes dificuldades.

Existem fases que vivemos em vitória, tudo parece dar certo na nossa vida e existem fases em que somos provados por Deus e parece que tudo que fazemos dá errado. A vida é cheia de fases e as fases não se limitam à idade, à nossa formação ou lugar que moramos. Ela acontece em ciclos que iniciam e encerram assim como os períodos bíblicos. Cada um desses momentos é natural e indispensável, tanto para nosso fortalecimento como para o marco de novas conquistas.

Mesmo diante das decepções e frustrações da vida devemos recomeçar em Cristo Jesus, pois em Cristo somos novas criaturas. O recomeço nos traz a sensação de desconforto e medo; porém, o caminho novo nos leva para mais perto de Deus, para crescer e viver para aquilo que somos feitos. Deus é um Deus de mudança, é tempo de tirar o velho e dar lugar ao novo.

Hoje, Deus lhe dá a oportunidade de recomeçar, então recomece. Tudo irá mudar quando você mudar. Receba o novo de Deus e não pense que o trabalho vai ser duro, pense que a recompensa será maior e melhor.




:: PAULA FORTUNATO – MISSIONÁRIA

terça-feira, 15 de março de 2016

Conheça as 10 Medidas Contra a Corrupção



(Propostas do Ministério Público Federal apoiadas pelos Ministérios Públicos de todo o Brasil)

Prevenção à corrupção, transparência e proteção à fonte de informação

Esta medida inclui a destinação de parte dos recursos de publicidade dos entes da Administração Pública (entre 10% e 20%) a programas de marketing voltados a estabelecer uma cultura de intolerância à corrupção e a conscientizar a população sobre os danos sociais e individuais causados por ela. Além disso, propõe o treinamento reiterado de todos os funcionários públicos em posturas e procedimentos contra a corrupção, o estabelecimento de códigos de ética claros e a realização de programas de conscientização e pesquisas em escolas e universidades. Para estimular denúncias de casos de corrupção, pretende-se garantir sigilo da testemunha. Por fim, propõe-se ainda, mecanismos que garantam a celeridade dos processos, sempre que seu trâmite demorar mais do que a duração razoável.


Criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos

A proposta torna crime o enriquecimento ilícito de agentes públicos, com previsão de pena de prisão variando entre três e oito anos. A medida pretende garantir que o agente público não fique impune mesmo quando não for possível descobrir ou comprovar quais foram os atos específicos de corrupção praticados por ele. Ou seja, ainda que não tenha sido possível comprovar o crime de corrupção na origem, o fato de o agente público ter adquirido considerável patrimônio, absolutamente incompatível com seus rendimentos, poderá acarretar a responsabilização, pela evidência do enriquecimento ilícito.



Aumento das penas e crime hediondo para corrupção de altos valores

Prevê o aumento de pena para crimes de colarinho branco conforme o valor do dinheiro desviado. Assim, quanto maior o dano causado ao patrimônio público, maior será a condenação, que pode variar de 12 até 25 anos de prisão, quando o montante for superior a R$ 8 milhões. A ampliação da pena objetiva coibir a prática da corrupção, bem como evitar a prescrição dos crimes desta natureza. Além disso, atribui aos crimes de corrupção peso equivalente aos crimes praticados contra a vida, pois a corrupção mata ao desviar recursos públicos que deveriam garantir direitos essenciais como saúde, educação, saneamento básico e segurança.



Aumento da eficiência e da justiça dos recursos no processo penal

São propostas 11 alterações pontuais no Código de Processo Penal (CPP) e uma emenda constitucional, a fim de dar celeridade à tramitação de recursos em casos do chamado “crime do colarinho branco”, sem prejuízo do direito de defesa do réu. Atualmente, brechas na lei permitem que a sentença final desse tipo de crime demore mais de 15 anos para ser proferida, diante de recursos e estratégias que protelam as decisões.

Essas alterações incluem a possibilidade de execução imediata da condenação quando o tribunal reconhece abuso do direito de recorrer; a revogação dos embargos infringentes e de nulidade; a extinção da figura do revisor; a vedação dos embargos de declaração de embargos de declaração; a simultaneidade do julgamento dos recursos especiais e extraordinários; novas regras para habeas corpus; e a possibilidade de execução provisória da pena após julgamento de mérito do caso por tribunal de apelação, conforme acontece em inúmeros países.



Celeridade nas ações de improbidade administrativa

A medida propõe três alterações na Lei nº 8.429/92, que trata das sanções aplicáveis a agentes públicos que cometem atos de improbidade administrativa, para agilizar a tramitação de ações dessa natureza. Dentre as alterações estão a adoção de uma defesa inicial única (hoje ela é duplicada); a criação de varas, câmaras e turmas especializadas para julgar ações de improbidade administrativa e ações decorrentes da lei anticorrupção.



Reforma no sistema de prescrição penal

Um crime prescreve quando o julgamento final de um caso demora tanto tempo que a punição perde seu efeito. Nos crimes de colarinho branco, muitas vezes essa demora é utilizada como manobra de defesa, que interpõe recursos e outras medidas judiciais para retardar o andamento do processo e, assim, evitar a punição dos acusados.

A proposta consiste em promover alterações nos artigos do Código Penal referentes ao sistema prescricional, a fim de se evitar que decisões judiciais sejam postergadas e acarretem a prescrição. Também permite que a contagem do prazo da prescrição da pretensão executória comece a contar do trânsito em julgado (decisão de última instância, quando não cabe mais recurso) para todas as partes, e não apenas para a acusação, como é hoje. Além disso, são sugeridas alterações para se evitar que o prazo para prescrição continue correndo enquanto há pendências de julgamento de recursos especiais e extraordinários. Pretende-se, ainda, que as prescrições possam ser interrompidas por decisões posteriores à sentença e por recursos da acusação.



Ajustes nas nulidades penais

Esta medida propõe uma série de alterações no capítulo do Código de Processo Penal que trata de nulidades, com o objetivo de que a anulação e a exclusão da prova somente ocorram quando houver uma efetiva e real violação de direitos do réu. Busca-se evitar que o princípio da nulidade seja utilizado pela defesa para retardar ou comprometer o andamento do processo.




Responsabilização dos partidos políticos e criminalização do caixa dois

A medida pretende responsabilizar, de forma objetiva, os partidos políticos em relação a práticas corruptas, à criminalização da contabilidade paralela (caixa 2) e à criminalização eleitoral da lavagem de dinheiro produto de crimes, de fontes de recursos vedadas pela legislação eleitoral ou que não tenham sido contabilizados na forma exigida pela legislação.



Prisão preventiva para evitar a dissipação do dinheiro desviado

Propõe mudanças na lei para que o dinheiro ilícito seja rastreado mais rapidamente, facilitando tanto as investigações como o bloqueio de bens obtidos de forma ilegal. Também cria a hipótese de prisão extraordinária para permitir a identificação e a localização de dinheiro e/ou bens provenientes de crime, evitando que sejam utilizados para financiar a fuga ou a defesa do investigado/acusado.

Recuperação do lucro derivado do crime

Esta medida traz duas inovações legislativas que acabam com brechas na lei para evitar que o criminoso alcance vantagens indevidas. A primeira delas é a criação do confisco alargado, que permite o confisco dos valores existentes entre a diferença do patrimônio declarado e o adquirido comprovadamente de maneira ilegal (como os obtidos através de crimes contra a Administração Pública e do tráfico de drogas). A segunda inovação é a ação civil de extinção de domínio, que possibilita que a Justiça declare a perda de bens obtidos de forma ilícita, independentemente da responsabilização do autor do ato infracional.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Lauro Jardim: Três fatores que deixam o governo encrencado

Se o Congresso queria um respaldo das ruas para levar adiante o processo de impeachment, este foi dado ontem. Em várias capitais importantes, um público recorde entre as manifestações anti-Dilma que explodiram há um ano. E São Paulo deu o toque que faltava: nunca a maior cidade brasileira botou tanta gente nas ruas num dia de protesto.

O que interessa a deputados e senadores é exatamente o superlativo. Agora, já dá para os parlamentares repetirem que não há como ignorar números tão eloquentes. Era isso o que diziam em conversas entre eles, na semana passada. As ruas mostrariam o norte. Isso significa que a comissão do impeachment na Câmara, que, tudo indica, será instalada entre quarta-feira e quinta-feira por Eduardo Cunha, terá um caldo de cultura fabuloso para evoluir.

Há uma combinação de três fatores que colaboram para deixar o governo encrencado.

Primeiro, a depressão na economia não dá sinal de reversão. Muito pelo contrário, os agentes econômicos já jogaram a toalha a espera do pós-Dilma. Além disso, as contradições da política econômica ficarão mais agudas daqui para frente — com Nelson Barbosa tentando puxar a economia para um lado e o PT e Lula empurrando para o outro, tendo uma Dilma no meio sem capacidade de arbitrar.

Para piorar, as revelações em cascata que surgem das delações premiadas estão fechando o quebra-cabeça da corrupção e do caixa dois da campanha de 2014. Nas próximas semanas, pelo menos parte dos depoimentos da turma da Andrade Gutierrez e, possivelmente, de João Santana, se tornará pública.

E, finalmente, como se fosse pouco, anteontem o PMDB deu um cartão amarelo ao governo na convenção do partido.

O que se enxerga para os próximos 30 dias é um cenário envenenado para Dilma Rousseff. Desde o início do ano passado, o governo atuou sobretudo com um objetivo: não cair. Agora, a sobrevivência será sua única pauta. Vai se entrincheirar no Palácio do Planalto tentando convencer deputado por deputado a não abandonar o barco. Mais precisamente o governo necessita de 171 dos 513 deputados. Como é praxe, o toma lá dá cá vai viver momentos de glória.



© 1996 - 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

quarta-feira, 2 de março de 2016

Salário de vereadores de Caruaru vai subir para R$ 15 mil em 2017

Os vereadores de Caruaru aprovaram na sessão de ontem o novo salário para os parlamentares que irão ser eleitos no pleito desse ano. Quem for eleito vai passar a receber em 2017 o salário de R$ 15 mil, num reajuste de cerca de 70% em relação ao atual salário. Os atuais vereadores de Caruaru recebem os subsídios de R$ 9 mil mensais.

Apenas duas sessões foram necessárias para votar o reajuste. O projeto foi apresentado na última quinta-feira (26/02) e votado na noite de ontem. Foram 20 votos a favor e apenas um contra, do vereador Marcelo Gomes (PSB). Faltaram na sessão os vereadores Demóstenes Veras (PROS) e Alecrim (PSD). Na legislatura anterior então presidente da Câmara, Lícius Cavalcanti (PCdoB), chegou a colocar em votação o reajuste para R$ 12 mil, mas que acabou sendo vetado, após muita pressão e uma sessão tumultuada com protesto de estudantes. Ainda hoje mais informações sobre o fato.

#Vergonha

terça-feira, 1 de março de 2016

Cresce a convocação pelas redes sociais para o ato do próximo dia 13


Grupos que combatem o governo Dilma Rousseff estão se articulando pelas redes sociais para o protesto marcado para o próximo dia 13 nas principais cidades do país.

A idéia é realizar manifestações em pelo menos 160 cidades brasileiras, incluindo as capitais e o Distrito Federal.

Após o Ministério Público de São Paulo ter decidido convocar o ex-presidente Lula para dar explicações sobre o apartamento triplex de Gurujá e o sítio de Atibaiaiz, a expectativa da oposição é que os protestos contra o governo ganhem força no país inteiro.

“O juiz Sérgio Moro necessita do nosso apoio para poder continuar colocando os corruptos na cadeia. Dilma, Lula, Cunha e Renan são todos farinha do mesmo saco e vão fazer de tudo para escapar”, diz uma das mensagem que estão circulando através das redes sociais.

Já confirmaram presença nos protestos os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), José Serra (PSDB-SP) e Ronaldo Caiado (DEM-GO) e os deputados federais Jair Bolsonaro (PP-RJ), Roberto Freire (PPS-SP) e Paulo Pereira da Silva (SD-SP).

“Decidimos nos engajar no movimento do dia 13. Vamos botar nossa cara e dizer ‘basta’ ao que vem acontecendo no Brasil”, disse Aécio Neves.

No Recife, os protestos vão ocorrer na Avenida Boa Viagem.
Em Santa Cruz do Capibaribe na praça do estudante.

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Refutando o ensino que Davi e Jônatas possuíram um caso homossexual

Ultimamente tenho lido textos escritos por algumas pessoas afirmando que Davi e Jônatas possuíram um caso homossexual. Os que defendem esse pensamento fundamentam sua crença nos seguintes textos bíblicos:

“Sucedeu que, acabando Davi de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma. Saul, naquele dia, o tomou e não lhe permitiu que tornasse para casa de seu pai. Jônatas e Davi fizeram aliança; porque Jônatas o amava como à sua própria alma.” (1 Samuel 18.1-3)
“Angustiado estou por ti, meu irmão Jônatas; tu eras amabilíssimo para comigo! Excepcional era o teu amor, ultrapassando o amor de mulheres.” (2 Samuel 1.26)

Diante destes versos pergunto: Será que os episódios narrados em Samuel demonstram efetivamente que Jônatas e Davi tiveram um relacionamento homossexual? Será que a Bíblia justifica relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo?

Minha resposta é: Claro que não, senão vejamos:
1-) A Bíblia jamais irá contra a própria Bíblia. As Escrituras não apoiam, nem tampouco incentivam qualquer tipo de relacionamento homo-afetivo, antes pelo contrário, a Palavra de Deus refuta esse comportamento. (Levítico 18:22, Levítico 20:13, Romanos 1:26-27, 1 Corintios 6.9-11 e 1 Timóteo 1.8-11)

2-) A Lei mosaica condenava o pecado da homossexualidade o que nos leva a entender que caso Davi e Jônatas realmente tivessem tido uma relação homossexual, teriam sidos condenados pelo comportamento vivenciado. Como isso não aconteceu entendemos claramente que Davi e Jônatas não tiveram em relacionamento homossexual.

3-) A relação de Jônatas e Davi vai muito além de um relacionamento afetivo sexual. Na verdade, os textos bíblicos sobre suas vidas nos mostram que a relação entre o homem segundo o coração de Deus e o filho de Saul, fora uma relação de amizade. Além disso, a expressão “ultrapassando o amor de mulheres”, não aponta para um amor homossexual, aliás, quem foi que disse que o amor entre iguais é maior que o amor de mulheres? Ora, vamos combinar uma coisa? Essa é uma interpretação equivocada e que tenta de alguma maneira, ainda que de forma inconsciente, incutir na cabeça de quem quer que seja, que o amor entre homossexuais é maior que entre os heterossexuais.

Vale a pena ressaltar que a palavra “ahavá” usada por Davi significa muito mais que amor sexual. A palavra também é usada no sentido paternal (‘Isaque gostava de Esaú’, em Gn 25.28), no sentido de amizade ( ‘Saul afeiçoou-se a Davi’, em 1 Sm 16.21), no sentido de amor a Deus (‘Amarás o Senhor, teu Deus’, em Dt 6.5) e no sentido de amor ao próximo (‘Amarás o próximo como a ti mesmo’, em Lv 19.18). Ademais, ao contrário do que defendem alguns, as Escrituras nos mostram que Davi e Jônatas vivenciaram uma amizade genuína, pura e santa. Do ponto de vista da Bíblia a amizade entre dois homens além de viável é extremamente louvável. O livro de provérbios por exemplo destaca que existem amizades tão fortes que podem até superar o amor de irmãos: “O homem que tem muitos amigos sai perdendo; mas há amigo mais chegado do que um irmão.” (Provérbios 18.24).

4-) As Escrituras nos mostram que Davi teve várias esposas e concubinas, como Mical, Abigail, Ainoã, Maaca, Hagita, Abital, Eglá, e outras, isso sem falar no adultério cometido com a mulher de Urias (1 Sm 18.27, 25.42-43, 2 Sm 3.2-5,11.1-27), portanto, a Bíblia nos aponta pecados cometidos por Davi quanto a sua paixão por mulheres e não nos concede margem para pensarmos que ele tinha qualquer tipo de tendência homossexual.
Isto posto, concluo afirmando que por razões claramente mostradas pela Bíblia, Davi e Jônatas não tiveram uma relação homossexual, e que as afirmações contrárias a isso, apontam para um grande equívoco na interpretação das Escrituras.

Pense nisso!
Por Renato Vargens

Comercial 'O mundo tá chato', da Pepsi, será julgado pelo Conar

A campanha foi acusada pelo público de 
'desmerecer as minorias'

A campanha "O mundo tá chato", da Pepsi, será julgada pelo Conar após ter sido acusada por cinquenta consumidores de desmerecer movimentos e ações em defesa das minorias. No final de janeiro, o conselho abriu um processo para investigar o comercial e a decisão deve ocorrer nas próximas semanas.


No vídeo, os famosos limões da marca comentam a nova embalagem da Pepsi Twist. O diálogo traz supostos xingamentos e reações negativas, além de afirmações como "O mundo anda muito sensível" e "Se o mundo tá chato, dê um Twist".



quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Caruaru registra mais de 170 tremores de terra em um único dia

Um dos abalos chegou a 3.8 graus, classificado como terremoto fraco. Os eventos sísmicos foram sentidos até na Região Metropolitana do Recife



Na tarde dessa terça-feira (23), um abalo de magnitude 3.8 na escala Richter foi sentido em vários municípios da região Nordeste, especialmente no Agreste pernambucano. O epicentro do sismo foi registrado em São Caetano, a 150 km do Recife. 

De acordo com o Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LabSis/UFRN), foram registrados na estação de Caruaru mais de 170 eventos sísmicos de pequena intensidade, imperceptíveis à população. O maior foi às 15h33, quando foi registrado um abalo de magnitude preliminar estimada em 3.8, sentido em diversos municípios do Agreste e na Região Metropolitana do Recife (RMR). 

Em nível mundial, o evento é classificado como terremoto fraco. Embora os abalos sejam comuns em Caruaru, os moradores se assustaram com o tremor. Manoel Cintra, que trabalha com confecções, disse que estava organizando as mercadorias quando sentiu o tremor. “Foi tão forte que pensei que uma parede estivesse caindo em algum lugar próximo”, comentou.

O maior abalo sísmico de Pernambuco ocorreu no dia 20 de maio de 2006, quando atingiu grau quatro na escala Richter. Em 20 de março de 2007, um outro tremor atingiu 3.9 graus. 

A Defesa Civil de Caruaru pôs a disposição da população o telefone 3701-1103, para esclarecer dúvidas.

Moody's tira grau de investimento do Brasil

Agência derrubou nota do país em dois 'degraus' de uma só vez. 
Das 3 maiores agências, só Moody's não tinha tirado selo de bom pagador.

A agência de classificação de risco Moody's rebaixou a nota do Brasil e tirou o grau de investimento – selo de bom pagador – do país nesta quarta-feira (24), como já era esperado. A nota do país caiu dois degraus de uma vez: passou de Baa3, o último nível dentro do grau de investimento, para Ba2, que é categoria de especulação. A agência também colocou o Brasil em perspectiva negativa, indicando que pode sofrer novo rebaixamento.

Em nota, a Moody's afirma que o corte da nota foi influenciado pela maior deterioração das métricas de crédito do Brasil, em um ambiente de baixo crescimento, com expectativa de que a dívida do governo ultrapasse 80% do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos três anos. A agência também aponta a "dinâmica política desafiadora" vai continuar a complicar os esforços de consolidação fiscal e atrasar as reformas estruturais.

"A perspectiva negativa reflete a visão de que os riscos são de uma consolidação e uma recuperação ainda mais lentas, ou de que surjam mais choques, o que cria incertezas em relação à magnitude da deterioração do perfil de crédito do Brasil".

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Para um pentecostal, o que é o arminianismo - CIRO SANCHES ZIBORDI

Há algum tempo, por causa da amizade que tenho com irmãos calvinistas, alguém me perguntou: “Afinal, você é calvinista ou arminiano?” E eu, vendo que o irmão tinha senso de humor, lhe respondi: “Nenhum dos dois. Sou pentecostal”. Risos. Na verdade, brincadeiras à parte, considero que ser pentecostal — pentecostal, mesmo! — é mais que ser arminiano, uma vez que a soteriologia arminiana remonstrante e wesleyana está contida no genuíno pentecostalismo. Neste artigo pretendo fazer uma abordagem histórica do arminianismo, procurando distingui-lo do pelagianismo e do semipelagianismo, que em parte prevalecem em alguns círculos pentecostais.

O QUE NÃO É O ARMINIANISMO?

Especialmente por causa da conduta de Charles Finney, grande evangelista do século XIX, e dos remonstrantes liberais que surgiram no século XVIII, como Philip Limborch, John Taylor e Charles Chauncy, os pentecostais arminianos têm sido acusados — com certa justiça — de pelagianos ou semipelagianos. De fato, Finney pendeu um pouco para o pelagianismo e um pouco mais para o semipelagianismo, mas estes nada têm a ver com o arminianismo clássico, o qual definirei depois de discorrer brevemente sobre o pelagianismo e o semipelagianismo.

O pelagianismo tem origem em Pelágio de Bretanha (350-423), um monge que escreveu sobre pecado, livre-arbítrio e graça. Ele negou o pecado original e elevou as habilidades humanas. E, por isso, foi duramente contestado por Agostinho de Hipona (354-430) e seu contemporâneo Jerônimo (347-420). As heresias de Pelágio, em resumo, foram as seguintes: ele disse que o homem nasce sem a mancha do pecado original, herdado de Adão; negou que a graça seja essencial para a salvação; e defendeu que o homem, por meio do livre-arbítrio, é totalmente responsável por sua salvação — este tipo de sinergismo é herético porque minimiza o papel da graça divina. Segundo o arminianismo clássico — de Armínio, dos primeiros remonstrantes (como Episcópio e Grótius) e de Wesley, o homem nasce pecador (cf. Sl 51.5; Rm 3.23), e a salvação ocorre exclusivamente pela graça (cf. Ef 2.8-10).

Já o semipelagianismo — que não é o mesmo que arminianismo antes do tempo, como alguns críticos têm dito — surgiu a partir da controvérsia de Pelágio e Agostinho. Um teólogo chamado João Cassiano (360-435) tentou construir uma ponte entre Pelágio e Agostinho, que defendia a eleição incondicional tendo por base o fato de que os descendentes de Adão nascem espiritualmente mortos e culpados da culpa de Adão, e a partir daí surgiram duas outras escolas soteriológicas, por assim dizer: o semipelagianismo e o semiagostinianismo. Para a primeira, a salvação começa a partir da vontade humana, que é assistida por Deus. E, para o segundo, Deus coopera com a vontade na obra salvífica, mas é Ele quem dá o start. Alguns teólogos têm preferido ver as duas escolas como se fossem uma só. Eles afirmam que os termos citados são empregados de modo intercambiável, como sinônimos. O certo é que ambos não estão de acordo com o arminianismo clássico.

Quais são as heresias semipelagianas (ou semiagostinianas)? Essa escola prega que o homem, apesar de pecador, tem uma força remanescente, mesmo em seu estado caído, depravado, para iniciar a salvação através de sua boa vontade. Diz também que a depravação do ser humano caído é parcial, uma vez que o homem é capaz de exercer uma boa vontade para com Deus, independentemente de qualquer infusão de graça sobrenatural. Isso não é pregado pelos pentecostais que se prezam, os quais são, em geral, arminianos clássicos. Estes afirmam, com a Bíblia na mão, que a salvação ocorre exclusivamente pela graça, conquanto a santificação seja progressiva (cf. Ef 2.8-10; Hb 12.14). Eles têm a certeza de que a salvação é obra exclusiva de Deus e creem que o sinergismo, à luz das Escrituras, não denota que a salvação depende da cooperação entre Deus e o homem. Os pentecostais estão convictos de que a depravação do homem é total e de que a iniciativa para a salvação é sempre de Deus, que capacita o ser humano para crer e se arrepender (cf. Tt 2.11; Jo 6.44).

O QUE É O ARMINIANISMO?

Em primeiro lugar, o arminianismo não tem nada com o país da Armênia! Jacobus Arminius (1560-1609) foi um teólogo holandês do período da Reforma Protestante, um reformador que tentou fazer uma reforma dentro da Reforma. E ele não possuía ascendência armênia! Risos. Grosso modo, o arminianismo é a teologia dos seguidores de Armínio. E é bom dizer que Armínio não foi um estudioso que quis “reinventar a roda”. Pelo contrário, em sua argumentação, ele evocou os pais da Igreja, empregou métodos e conclusões teológicas da Idade Média, bem como baseou-se em teólogos protestantes que o antecederam. Ele acabou morrendo no auge da controvérsia sobre a soteriologia, aos 49 anos, e seu pensamento quanto a salvação e sua segurança foi expresso num documento póstumo chamado Remonstrantie (Protesto, Objeção, um ato de oposição), publicado em 1610 e apresentado por seus seguidores a uma conferência em Gouda, Países Baixos (Holanda).

Por causa do nome do documento, os cerca de 45 seguidores de Armínio ficaram conhecidos como remonstrantes. Simão Episcópio (1583-1643), provavelmente, foi quem compilou os escritos de Armínio e tornou-se, posteriormente, o primeiro professor do Seminário Remonstrante, na Holanda, fundado depois de seu exílio (1619-1625). Outro remonstrante famoso foi o estadista e cientista político Hugo Grótius (1583-1645). O documento citado foi examinado pelo Sínodo de Dort (1618-1619). Para dar credibilidade ao seu posicionamento, os remonstrantes argumentaram que Melanchton, um líder luterano conservador, e outros luteranos mantinham posicionamentos similares ou idênticos aos de Armínio. Mas o sínodo (uma assembleia) condenou formalmente o pensamento de Armínio, e muitos de seus seguidores foram banidos e passaram a ser perseguidos.

Após rechaçar a remonstrância, os teólogos contrários às ideias de Armínio, divulgaram seu posicionamento, que hoje é conhecido como “os cinco pontos do calvinismo”, apresentado mediante o acróstico TULIP, em inglês: total depravity (depravação total); unconditional election (eleição incondicional); limited atonement (expiação limitada); irresistible grace(graça irresistível); e perseverance of saints (perseverança dos santos). Depois do Sínodo de Dort, o arminianismo foi suprimido nos Países Baixos (Holanda), acolhido na Inglaterra e nos Estados Unidos; e disseminado através do ministério do pregador John Wesley.

QUANTOS TIPOS DE ARMINIANISMO EXISTEM?

A partir do século XVIII, o arminianismo dividiu-se em dois grupos: o clássico e o liberal. O arminianismo clássico é o que se mantém fiel ao pensamento de Armínio, dos primeiros remonstrantes, de John Wesley e seus herdeiros. Aliás, uma clara prova de que nem todos os arminianos se tornaram liberais — como alguns têm dito, de modo injusto — é que Wesley defendeu Armínio e o arminianismo das acusações de que essa escola levava à heterodoxia ou à heresia. Wesley defendeu o sinergismo através da graça preveniente de Deus e pregou a justificação exclusivamente pela graça através da fé. Ele é, sem dúvidas, a maior fonte do arminianismo clássico.

Quando se critica o arminianismo, hoje, é por causa dos remonstrantes liberais, visto que a ênfase deles ao livre-arbítrio está alicerçada no Iluminismo, por influência do arminiano liberal Philip Limborch (1633-1712). O arminianismo liberal tem recebido várias críticas justas, pois, em razão de sua falta de compromisso com as Escrituras, ora se mostra pelagiano ou, no mínimo, semipelagiano, ora universalista ou até ariano, negando a plena deidade de Cristo. Não foi por acaso que o famoso calvinista Jonathan Edwards (1703-1758) se opôs de maneira veemente ao arminianismo liberal, de Limborch.

QUAIS SÃO AS DOUTRINAS BÍBLICAS DEFENDIDAS PELOS PENTECOSTAIS ARMINIANOS?

A teologia arminiana também tem os seus cinco pontos, expressos por meio do acróstico FACTS, que é, por assim dizer, uma tréplica do arminianismo wesleyano aos cinco pontos do calvinismo: freed by grace to believe (liberto [por assim dizer] pela graça para crer); atonement for all(expiação para todos); conditional election (eleição condicional); total depravity (depravação total); e security in Christ (segurança em Cristo). Examinemo-los de modo breve.

Freed by grace to believe (liberto [por assim dizer] pela graça para crer). Este ponto responde à quarta letra de TULIP: irrestible grace (graça irresistível) e alude à graça preveniente, que é persuasiva, e não coercitiva. A doutrina da graça preveniente é interpretada pelos pentecostais arminianos como uma graça convincente, convidativa, iluminadora e capacitadora, que atencede a conversão e torna o arrependimento e a fé possíveis. É a graça preparatória do Espírito Santo exercida no homem abandonado em pecado. A salvação não vem antes da fé e do arrependimento; o que vem antes é a capacitação do Espírito Santo, pela graça preveniente, que precede e capacita os primeiros indícios de uma boa vontade para com Deus, a fim de que o pecador tenha a fé salvadora e o arrependimento.

Segundo os pentecostais arminianos, o novo nascimento é totalmente pela graça, pois o pecador está morto (Ef 2.5,6). Assim como não pudemos ajudar em nada quando do nosso primeiro nascimento, muito menos em nosso segundo (novo) nascimento (cf. GILBERTO, 2008, p. 333-378). Graça preveniente é persuasiva, e não coercitiva; a ação por parte do Espírito para convencer o pecador não é uma coerção, e sim como uma persuasão (Jo 16.8-12). Ou seja, Deus não impõe, mas oferece a salvação (Mt 13.37). Todas as pessoas nascem moral e espiritualmente depravadas e incapazes de fazer qualquer coisa boa ou digna aos olhos de Deus, sem uma infusão especial da graça divina para superar as inclinações do pecado original.

Atonement for all (expiação para todos). Este ponto responde à terceira letra da TULIP: limited atonement (expiação limitada). Expiação geral não significa salvação geral; denota expiação geral do pecado adâmico. Por isso, arminianos acreditam na salvação das crianças que morrem antes de alcançar a idade do despertamento da consciência. A obra expiatória é ilimitada porque se refere ao pecado (Jo 1.29; cf. Lv 4; 16; 23); a expiação é o ato de tirar o pecado, em potencial; é diferente da redenção. Mas a obra redentora é limitada porque se refere ao pecador; a redenção diz respeito à salvação concretizada, de modo eficaz, na vida do pecador.

Segue-se que, para os pentecostais, a expiação precede a redenção, visto que sem expiação pelo sangue não há perdão do pecado (Lv 4.35). Jesus expiou o pecado do mundo, para que todos os que crerem sejam redimidos, uma vez que "todos pecaram" (Rm 3.23), e Deus amou a todos os pecadores (Jo 3.16; Rm 11.32), desejando que todos sejam salvos (1 Tm 2.4). Mas a salvação só se realiza eficaz e efetivamente na vida do pecador quando este crê no Redentor (Jo 5.24; Rm 5.19; Hb 5.8,9). Se a redenção (e não a expiação) fosse ilimitada em sua extensão, o universalismo seria bíblico, visto que o Senhor Jesus provou a morte por todos os homens (Jo 1.9; Tt 2.11; 1 Jo 2.1,2; 1 Tm 2.4-6; Hb 2.9; Rm 11.32).

Conditional election (eleição condicional). Este ponto responde à segunda letra de TULIP: unconditional election (eleição incondicional). Mas há duas grandes escolas arminianas quanto a isso: a que interpreta a eleição segundo a presciência de Deus e a que não nega a presciência de Deus, mas defende prioritariamente a eleição corporativa, condicionada a seu plano. Para um grupo de teólogos de linha arminiana, Deus elegeu de antemão os que receberiam a salvação pela fé, isto é, responderiam livremente, de maneira positiva, à graciosa oferta de salvação. A predestinação, nesse caso, é a determinação (decreto) de Deus para salvar por intermédio de Cristo todos os que livremente respondem à oferta divina da graça livre ao se arrependerem do pecado e crerem em Cristo. Mas um outro grupo — do qual faz parte este articulista — não despreza as doutrinas bíblicas da presciência de Deus e da predestinação, porém afirma que Deus nos elegeu nEle; ou seja, não foram eleitos indivíduos para a salvação, e sim a sua Igreja, a Universal Assembleia dos Santos (Ef 1.1-4; 1 Pe 2.9,10).

Total depravity (depravação total). Este ponto equivale, aparentemente, à primeira letra da TULIP. Mas, para eruditos arminianos, como Stanley Horton, Antonio Gilberto, Roger Olson e Dave Hunt, por exemplo, a depravação total é extensiva e corruptora, e não intensiva e destruidora. Em outras palavras, ela é uma corrupção do bem, e não uma destruição do bem. O ser humano nasce com a propensão de pecar, e não com a necessidade de pecar. A vontade do homem foi diminuída, e não destruída. Alguns teólogos, arminianos ou calvinistas moderados, entendem que, se a depravação tivesse destruído a capacidade do ser humano de distinguir o bem do mal e escolher o bem antes que o mal, então teria destruído a capacidade do ser humano de pecar (cf. GEISLER, 2001). Para o arminianismo, a despeito dos efeitos deletérios do pecado, o ser humano ainda tem livre-arbítrio (cf. Dt 30.19; Lc 9.23; Ap 22.17).

Security in Christ (segurança em Cristo). Este ponto responde à quinta letra da TULIP: perseverance of saints (perseverança dos Santos). A bem da verdade, Armínio e os remonstrantes não se posicionaram em relação a essa questão. Como bem observou um dos maiores especialistas em arminianismo, na atualidade, a Remonstrância não é uma declaração completa da teologia arminiana (OLSON, 2013). Por isso, aqui também há duas escolas: a dos arminianos “calvinistas moderados” (como Norman Geisler), que dizem “uma vez salvo, sempre salvo, haja o que houver”; e a dos wesleyanos — da qual este articulista faz parte —, que acreditam na possibilidade de perda de salvação. Estes creem que a salvação pode ser perdida, mas não por qualquer motivo. Eles não ignoram as contundentes passagens em defesa da possibilidade de cair da graça, como Apocalipse 3.8, 2 Pedro 2, Hebreus 3; 6; 10 etc.

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS ARMINIANOS DA HISTÓRIA? 

Sempre me perguntam, quando participo de eventos envolvendo calvinistas e arminianos: “Quais são os principais arminianos, ao longo História?” É difícil responder essa pergunta de modo objetivo, sem uma explicação sobre cada nome, pois muitos abraçaram o arminianismo em parte; outros tornaram-se arminianos no fim da vida; outros deixaram de sê-lo; outros não fazem questão de declarar-se arminianos etc. Mas vou tentar apresentar aqui uma lista de arminianos, a partir de Armínio, embora reconheça que a soteriologia armininana preceda o próprio Armínio, como afirmou Norman Geisler: “Se afirmar que Deus não viola a livre-escolha de qualquer ser humano a fim de salvá-lo é considerado pensamento 'arminiano', então todos os grandes da patrística, desde o começo, incluindo Justino, Ireneu, Atenágoras, Clemente, Tertuliano, Orígenes, Metódio, Cirilo, Gregório, Jerônimo, Crisóstomo, Agostinho o jovem, até Anselmo e Tomás de Aquino foram arminianos!” (GEISLER, 2001).

Séculos XVII e XVIII. Começo minha lista pelo século XVII, citando os primeiros remonstrantes, além do próprio Armínio (1560-1609): Simão Episcópio (1583-1643) e Hugo Grótius (1583-1645). Do século XVIII, cito John Wesley (1703-1791), lembrando que todo o movimento metodista e suas ramificações, como o multifacetado movimento da santidade, adotaram a versão de Wesley da teologia arminiana, que pouco se difenciava do próprio Armínio. E também menciono John Fletcher (1729-1785), primeiro teólogo sistemático do metodismo, que teve grande influência sobre Wesley, e Richard Watson (1781-1833), metodista britânico e um dos teólogos arminianos mais influentes dos séculos XVIII e XIX. Mas é bom lembrar que ainda no século XVIII surgiram os remonstrantes liberais, como Philip Limborch (1633-1712), John Taylor (1694-1761) e Charles Chauncy (1705-1787). 

Século XIX. Neste, temos os metodistas Thomas Summers (1812-1882), William Burton Pope (1822-903) e John Miley (1813-1895). Este, porém, foi um dos arminianos mais controversos do período, a despeito de ser fortemente apegado à supremacia das Escrituras. Mas os dois nomes mais importantes desse século foram, sem dúvida, Finney e Moody. Charles Finney (1792-1875), a despeito de seus desvios semipelagianos, tão criticados pelos calvinistas e reconhecidos pelos arminianos, teve uma carreira brilhante como pregador avivalista. Dwight Lyman Moody (1837-1899), por sua vez, foi tão usado por Deus com pregador e editor, a ponto de ser chamado de “Célebre ganhador de almas” no livro Heróis da Fé, publicado no Brasil pela CPAD. 

Século XX. São muitos os arminianos desse período: H. Orton Wiley (1877-1961), líder da Igreja do Nazareno, produziu a excelente obraChristian Theology, de três volumes, mesclando o arminianismo de Armínio e dos remonstrantes com o perfeccionismo de Wesley. Henry Clarence Thiessen (1883-1947), que, grosso modo, ensinou a posição arminiana clássica em seu livro Palestras Introdutórias à Teologia Sistemática(Imprensa Batista Regular, 1987). Aiden Wilson Tozer (1897-1963), famoso pastor norte-americano, pregador, autor, editor etc., conhecido com "O profeta do século XX". Clive Staples Lewis (1898-1963), arminano em grande parte, professor universitário, escritor, romancista, poeta, crítico literário, ensaísta e apologista cristão britânico. Leonard Ravenhill (1907-1994), escritor e avivado evangelista britânico. William Franklin (Billy) Graham Jr. (nascido em 1918 e ainda vivo), pregador batista norte-americano, conselheiro espiritual de vários presidentes e o mais proeminente membro da Convenção Batista Sulista dos Estados Unidos.

Outros nomes impontantes do século XX: Carl O. Bangs (1922), erudito norte-americano, autor de Arminius: A Study in the Dutch Reformation (1971). Dave Hunt (1926-2013), um dos mais renomados pesquisadores de Escatologia. Thomas Oden (nascido em 1931 e ainda vivo), que não se declara arminiano, mas endossa de modo fervoroso a teologia de Armínio. David Wilkerson (1931-2011), reconhecido evangelista norte-americano, pastor da Times Square Church, em New York, Estados Unidos. Ouso mencionar, ainda, Norman L. Geisler (1932), apologista cristão, erudito, filósofo, o qual é um exemplo de que calvinistas e arminianos podem se entender, pois se declara calvinista moderado e, ao mesmo tempo, agrada, em grande parte, os arminianos. E também Roger E. Olson (1952), professor, erudito, autor de obras meritórias, como Arminian Theology: Myths and Realities.

Há vários nomes ainda no século XX (batistas, metodistas etc.), como Ray Dunning, Dale Moody, Stanley Grenz, Clark Pinnock, Leroy Forlines, Jack Cotrell, Howard Mashall, Jerry Walls etc. Mas quero finalizar a minha longa lista de arminianos ilustres citando o nome de pelo menos dois eruditos pentecostais brasileiros e da Assembleia de Deus: Antonio Gilberto, o principal erudito pentecostal do Brasil, na atualidade, o qual aqui representa todos os eruditos assembleianos que já partiram para a glória (como Stanley M. Horton, brilhante teólogo, que partiu para eternidade há poucos anos, e Donald Stamps, editor da Bíblia de Estudo Pentecostal, etc.). E, como a lista é muito longa, cito por último o erudito, pastor e escritor Esequias Soares como representante dos inúmeros expoentes pentecostais e arminianos da Assembleia de Deus, na atualidade. Ciro Sanches Zibordi

REFERÊNCIAS

ARMÍNIO, Jacó. As Obras de Armínio. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.
GEISLER, Norman. Eleitos, mas Livres. São Paulo: Editora Vida, 2001.
GEISLER, Norman; BOCCHINO, Peter. Fundamentos Inabaláveis. São Paulo: Editora Vida, 2003.
GILBERTO, Antonio. Soteriologia — a doutrina da salvação. IN: GILBERTO, Antonio et al. Teologia Sistemática Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2008. São Paulo: Vida Nova, 1997.
OLSON, Roger E. Arminian Theology: Myths and Realities. Downers Glove, IL: InterVarsity Press, 2006.
PALMER, Michael D. Panorama do Pensamento Cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2001.
PIPER, John; TAYLOR, Justin. A Supremacia de Cristo em um Mundo Pós-moderno. Rio de Janeiro: CPAD, 2007. 
RADMACHER, Earl et al. Compact Bible Commentary. Nashville, TN: Thomas Nelson, 2004.
THIESSEN, Henry Clarence. Palestras Introdutórias à Teologia Sistemática. São Paulo: Imprensa Batista Regular, 1987.
ZACHARIAS, Ravi; GEISLER, Norman. Sua Igreja Está Preparada? Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
ZIBORDI, Ciro Sanches Zibordi. Procuram-se Pregadores como Paulo. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.
______. Escatologia — a doutrina das últimas coisas. IN: GILBERTO, Antonio et al. Teologia Sistemática Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
______. Mais Erros que os Pregadores Devem Evitar. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
______. Evangelhos que Paulo Jamais Pregaria. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006.